Quinta-feira, 18 De Outubro,2012
Terça-feira, 16 De Outubro,2012

As crianças são mesmo o melhor do mundo

A sobrinha-mais-linda pegou-me a constipação.

the x marks the day: ,
publicado por outrosdias às 11:17
link do post
Quinta-feira, 06 De Setembro,2012

No news is good news

Pois que, dizendo as coisas assim a crú, sem floreados ou qualquer outro tipo de arvoredo colorido, parece que já não vou morrer de repente. Pelo menos não disto :)

the x marks the day: , ,
publicado por outrosdias às 08:38
link do post | ver comentários (2)
Sexta-feira, 15 De Junho,2012

O bom, o mau e o assim-assim

As notícias e as opiniões que nos chegam trazem consigo uma botija de oxigénio que sorvemos inteira para dentro do peito. São momentos avassaladores, medidos em gráficos cheios de extremos. Rimos e choramos. Não há nexo, porque não é preciso que haja nexo. Corpo e mente agitam-se de forma descoordenada, como quando empurramos algo muito pesado que de repente nos escapa das mãos e ficamos a fazer força no vazio.

Face ao mau, o assim-assim parece-nos ser bom.

No preciso micro-segundo em que interiorizamos esse facto, apercebemo-nos o quão imensa era a carga invisível que há vários meses nos esmagava os ombros.

the x marks the day: ,
publicado por outrosdias às 11:31
link do post | ver comentários (8)
Sexta-feira, 25 De Maio,2012

E nos entretantos...

vamos vivendo :)

the x marks the day: ,
publicado por outrosdias às 11:26
link do post
Quarta-feira, 16 De Maio,2012

Strengthness

Há coisas que nos abalroam a grande velocidade, subitamente, saídas de onde menos esperamos. Coisas que nos derrotam, que nos fazem inundar o mundo com lágrimas e questionar as respostas, as perguntas, os silêncios. Tudo se transforma num labirinto, numa cadeia de acontecimentos, de causas e efeitos, de pontos de interrogação, de reticências, de vírgulas, de pausas. Instala-se uma dormência que achamos que nunca vai passar e deixamo-nos arrastar para tão, mas tão longe que duvidamos ser possível, algum dia, regressar do sítio para onde fomos empurrados.

Mas o ser humano é verdadeiramente extraordinário e, por entre o caos, sem sabermos como, lá arranjamos forma de rodear ou ignorar os obstáculos e quando damos por nós, estamo-nos a rir, meio enlouquecidos, de toda a trampa que nos vai acontecendo. A meio do dia, sozinhos ou acompanhados, no banho, a lavar os dentes, a pedalar, a estender a roupa, libertamos descaradamente gargalhadas quase histéricas e acreditamos, por momentos, que, seja o que for, havemos de lhe sobreviver. E por momentos, conseguimos, enfim, voltar a respirar, seja aos soluços, seja engolindo gigantescas golfadas de ar.

the x marks the day: ,
publicado por outrosdias às 17:19
link do post | ver comentários (9)
Segunda-feira, 26 De Setembro,2011

Se não fizermos nenhum trocadilho com a parte do ranho,

estar doente é uma grande seca.

the x marks the day: ,
publicado por outrosdias às 09:30
link do post
Quarta-feira, 24 De Agosto,2011

Fui levar choques e ver pilinhas

As dores na mão esquerda levaram-me a um inesquecível exame chamado electromiografia, que consiste em, nada mais nada menos, do que dar “pequenos choques” nos nervos para ver a resposta dos músculos. Fui nervosa para o dito exame (ainda hoje não sei se a ortopedista estava a falar a sério quando me disse que não sabia o sítio onde davam os choques ou se tentava simplesmente não me assustar) e tratei logo de bombardear o médico com as minhas mariquices.

- Isto não dói, pois não? Avise-me quando me der os choques, sim? É que senão eu dou um salto aqui em cima da marquesa! E a parte das agulhas… olhe que eu não me dou bem com agulhas… caio para o lado!

Fui choramingando à medida que ele me ia metendo braçadeiras molhadas à volta do pulso, da mão e dos dedos, num crescendo de nervos. Quando o médico disse “Então aqui vai…”, senti apenas um pequeno formigueiro e pensei, desiludida, “Oh, só isto?!”.

Imediatamente a seguir, a mão começou aos saltos sozinha, como se fosse uma rã a fazer um sprint de duzentos metros. Eu esbugalhei os olhos, sem perceber se me doía ou não e depois… bem… depois foi o bom e o bonito.

O nervosismo (e os nervos) deram-me para a palhaçada e a cada choque que ele me dava eu respondia com um pulo com o corpo todo e desmanchava-me a rir. A mão parecia ter-se descolado do braço e andava por ali à desgarrada, aos pinotes. Quantos mais choques ele me dava, mais eu me ria.

- Inesquecível… como um concerto do Tony Carreira, dizia o médico.

E foi.

No fim, perguntei-lhe se, com tanta electricidade, eu podia trabalhar ao computador sem o avariar.

- Não convém, não… e também não deve beber água nem sumos, porque depois sai pelos buraquinhos da picada da agulha.

Alguns dias depois, aproveitando que o resultado oficial ainda era desconhecido e antes que me condenassem a algo parecido com a sentença que o Google já me deu (médico cruel, este...), fui pedalar com o marido. Uma determinada parte do percurso foi feita à beira mar, numa zona sem acesso pela estrada e que, convidando ao recato, costuma estar repleta de banhistas literalmente despidos de preconceitos. Apesar de sabermos o que nos esperava (volta não volta fazemos aquele trajecto), passar ali é sempre uma aventura.

O marido, mais treinado das pernas, ainda conseguiu aproveitar alguma coisa do passeio e de vez em quando lá se divertia a olhar discretamente para as movimentações estranhas que se passavam nas dunas. Eu, por outro lado, ia contando as conchas no chão enquanto me esforçava desesperadamente por não me despistar em frente a um pipi desnudado ou, pior ainda, a uma pilinha bamboleante.

Não pensem que eram pruridos devidos à inexistência de uma camuflagem cobrindo as zonas genitais, ali tão gloriosamente expostas ao sol. O meu caso era mais grave que isso – diria mesmo que era um problema de ameaça pública. Vejamos os factos:

1 - a maré estava alta e a areia pouco propícia ao pedalanço sem quedas;

2 - as pilinhas bamboleantes estavam presentes num número bastante elevado e espalhadas um pouco por todo o lado.

Ora se eu escorregasse, no desequilíbrio entre pedais, volante, capacete, braços e pernas, o mais certo era acabar por me tentar agarrar ao que estivesse mais à mão. E, convenhamos, agarrar-me assim, a seco, à pilinha alheia seria, no mínimo, chato (já para não dizer doloroso para o proprietário da mesma).

A ajudar tudo isto, a minha cabeça, por sua própria iniciativa, ia cantarolando “Ó mar, ó mar, ó mar / Ó mar dos tubarões / Ó mar, ó mar, ó mar / Que já me dás pelos… tornozelos”.

 

 

 

 

Lembrem-se que eu tinha levado choques e estava mentalmente perturbada.

the x marks the day: , , ,
publicado por outrosdias às 18:04
link do post | ver comentários (4)
Segunda-feira, 01 De Agosto,2011

Parece que vou ter de levar uns choquezinhos eléctricos nos nervinhos para ver a resposta dos musculozinhos

Ainda não se decidiram, mas tenho, definitivamente, qualquer coisa na mão esquerda.

the x marks the day:
publicado por outrosdias às 17:31
link do post
Quarta-feira, 20 De Abril,2011

Destes dias

Algures entre a saga "Querido, fizemos uma casa", duas visitas ao hospital e uma fila interminável de trabalhos para fazer: é aí que eu estou (acho).

publicado por outrosdias às 11:39
link do post

agitar antes de abrir

Dezembro 2013

D
S
T
Q
Q
S
S
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
14
15
17
18
19
20
21
22
23
25
26
27
28
29
30
31

últimos comentários

  • Bom dia a todos,Vender um rim. Salvar uma vida e g...
  • Bem-vindo ao Dr. Kenneth Clinic. Você quer vender ...
  • Bem-vindo ao hospital médico solomon. Você quer ve...
  • Bom dia a todos,Vender um rim. Salve uma vida egan...
  • Você quer comprar um rim ou você quer vender suari...

e tudo o vento levou

2013:

 J F M A M J J A S O N D

2012:

 J F M A M J J A S O N D

2011:

 J F M A M J J A S O N D

2010:

 J F M A M J J A S O N D

2009:

 J F M A M J J A S O N D

2008:

 J F M A M J J A S O N D

2007:

 J F M A M J J A S O N D

2006:

 J F M A M J J A S O N D

pesquisar

 


lost & found